Dizes que sou má

De repente, dou conta que espero aquela hora em que falas comigo. Quando isso não acontece, quando não existe essa ansiedade, espero na mesma e falámos. De coisas banais, de coisas "profundas", falámos de tudo um pouco. Dizes que te sou especial, mas logo a seguir dizes que sou má. Tens razão. Porque apesar de tudo não serei capaz de retribuir tudo aquilo que inadvertidamente, ou não, fazes por mim. Devolveste-me uma esperança quase perdida: a de poder significar algo para alguém. Não imaginas o quanto isso foi importante. Isso tornou-te especial para mim, mas não nos termos em que gostarias, que eu gostaria. Por isso sou má, porque não sou capaz de fazer por ti tanto como fizeste por mim. Por isso sinto-me má.

Mas serei tua amiga, considero-te um amigo e continuaremos as nossas conversas, independentemente de onde nos encontrar-mos. Estarei aqui para te ouvir.

 

PS: Se algum dia leres isto, desculpa por mais uma vez a coragem ter faltado entre nós.

 

Ás vezes só conseguimos estar bem com a nossa consciência quando se exterioriza o que vai na alma.

publicado por Alexandra às 20:00
link do post | comentar | favorito